Natália
Essa resenha faz parte do Desafio Literário #2. Para acompanhar o meu progresso em todos os Desafios de 2011, clique aqui.


Perseguição Digital (Loraine Pivatto): Em Perseguição Digital, Joana vive o doloroso processo de reconstrução emocional, após o rompimento inesperado de uma relação afetiva. Muito abalada pela dor da rejeição e sem encontrar nenhuma explicação convincente para a atitude de seu amado, ela resolve virar o jogo, deixando de ser uma espectadora impotente e passando a tomar o controle da situação. Esperta e ardilosa, age como uma verdadeira 007 de saias, utilizando a tecnologia e o conhecimento computacional como valiosos aliados para rastrear os passos de Fernando. E assim, a cada nova descoberta, vai desvendando os mistérios e obtendo as tão esperadas respostas às perguntas que a atormentam.
(sinopse: quarta capa do livro)



Depois de quase cinco anos juntos, o namorado de Joana vai embora sem nenhuma explicação e desaparece de sua vida. Durante meses, tudo o que ela faz é sofrer com o rompimento e rezar para que seu amado Fernando recupere o bom-senso e volte para ela. Como obviamente nada disso funciona, a moça decide usar seus conhecimentos de tecnologia para descobrir o que o ex anda fazendo da vida e, talvez, até o motivo que o levou a deixá-la.
Bom, a verdade é que Joana não é exatamente tão boa assim com a tecnologia, o que é até estranho, já que ela trabalha com isso. Mas o fato é que ela não faz nada além de entrar na conta de e-mail de Fernando e ouvir as mensagens de voz de seu celular, porque ele usa sempre as mesmas senhas. Assim, ela fica sabendo sobre os lugares que ele está frequentando e as (muitas) mulheres com quem está saindo. E mesmo que o próprio rapaz dê bons indícios de não querer nenhum relacionamento sério com ninguém, ela faz questão de garantir que a mulherada mantenha distância, nem que para isso precise ler/ouvir, responder e/ou apagar e-mail e recados de voz.
Durante um bom tempo, a história gira em torno de Joana interferindo na vida de Fernando, direta ou indiretamente, em diversas tentativas de reaproximação, o que deixa a leitura um pouco lenta e repetitiva.
Conforme a personagem vai se acostumando com a ausência do ex em sua vida (mesmo que não desista de sua investigação) e passa a ter novas prioridades, a narrativa ganha força e se torna bastante agradável.

Não vou mentir: eu não gostei do final. Chamem de maluca, se quiserem, mas achei completamente surreal e não trouxe todo o crescimento que eu esperava para Joana. Mas não se pode agradar a todos, não é?


Autor: Loraine Pivatto
Editora: Novos Peregrinos
Nº de páginas: 202
1 Response
  1. Oi Naty!

    A sinopse é boa, mas a forma com que é levada a história me pareceu um pouco confusa. Amo a capa desse livro!

    - Matheus, Bobagens e Livros


Postar um comentário