Natália
Pode Beijar a Noiva (Patricia Cabot): Apenas um homem poderia propor a ela casamento...
Emma Van Court, dama de uma família londrina, jamais esperava ficar viúva e sem vintém na aldeia escocesa de Faires. E quando uma fortuna lhe foi prometida, se ela tornasse a se casar, a bela professora deparou-se com um mosaico de homens solteiros lutando por suas atenções, seus pretendentes iam desde o pastor local até um detestável barão.
Um doce beijo selaria aquele amor...
James Marbury, conde de Denham, era moderno e sofisticado... e totalmente desacostumado às estradas lamacentas e aos telhados de palha da pequena Faires, para onde viajara depois de saber do falecimento de seu primo Stuart. E logo fica ansioso ao perceber que o intenso amor que sentira pela viúva Emma continuava tão forte quanto antes. Diante de tantos homens solteiros que a cortejavam, James encontrou uma única solução: oferecer-se como marido temporário para Emma... mesmo que secretamente ele desejasse fazer seus votos durarem para sempre.
(sinopse: quarta capa do livro)


No início da carreira, Meggin Patricia Cabot assinava seus romances históricos como Patricia Cabot. Hoje ela é "apenas" Meg Cabot, autora de diversos best sellers traduzidos para várias línguas, mas seus primeiros livros continuam sendo lançados pelo mundo afora. A editora Essência é a responsável pelas publicações e A Rosa do Inverno, Aprendendo a Seduzir e, mais recentemente, Pode Beijar a Noiva.


Com a ironia e o humor característicos, Cabot nos presenteia com uma inusitada história de amor que se passa na Grã Bretanha do século XIX. Emma Van Court foi morar em uma belíssima mansão de Londres, com os tios e a prima, após a morte dos pais, quando ainda era apenas uma menina. Desde então passou a conviver com a viúva Lady Denham, seu filho, James Marbury (Conde de Denham), e seu sobrinho, Stuart Chesterton.
James e Stuart não podiam ser mais diferentes: enquanto o primeiro gostava de esbanjar dinheiro com luxo e conforto, o outro estava decidido a ajudar os menos favorecidos e ser o cura (cargo da igreja anglicana, uma espécie de pastor) de uma cidade minúscula da Escócia. Os dois primos tinham apenas uma coisa em comum: o amor por Emma. Mas foi o caráter benevolente do sobrinho de Lady Denham que a encantou, convencendo-a a largar tudo o que tinham na Inglaterra e fugir para a isolada ilha de Faires, contra a vontade da família dos dois. James ficou em Londres, com o coração partido.
Um ano depois, Emma havia se tornado a viúva sra. Chesterton, depois que seu marido morrera durante a epidemia de tifo. Sua má sorte mostrara-se forte desde então: sua cadela estava prenha, seu galo vivia fugindo e, graças à promessa de uma enorme herança caso ela se case novamente, todos os homens solteiros da ilha a estão cortejando, desde seu vizinho caipira ao desagradável barão. Mal sabia ela que tudo iria piorar na manhã em que o Conde de Denham, a quem ela esperava nunca mais ver, apareceu em sua porta.
James Marbury, em segredo, pretende conquistá-la, enquanto Emma tenta se convencer que a proximidade dele não a deixa completamente desnorteada.
Recheado de romance e comédia (e alguns momentos picantes), a história é contada com tanta leveza e naturalidade que a leitura se torna rápida, fácil e indiscutivelmente agradável. Personagens carismáticos (ou não!), situações inusitadas e até um certo tom de mistério, cujo desfecho é imprevisível, fazem de Pode Beijar a Noiva um must read para os românticos de plantão.



Título Original: Kiss the Bride
Autor: Patricia Cabot
Editora: Planeta
Nº de páginas: 238
2 Responses
  1. Olá!

    Esse livro parece ser muito bom. Adorei a resenha! Estava esperando com ansiedade pelas primeiras impressões sobre ele.

    Vim avisar que, como você faz parte das 10 maiores comentadoras do blog, ganhou o direito de preencher 3 forms por dia na promo da Jane Austen que fiz lá no blog sem precisar fazer mais nada! Topa?
    http://migre.me/4GUHh

    OBRIGADA PELO CARINHO!!


  2. Miriam. Says:

    Incrível como a Meg consegue criar roteiros tão originais! Ela é uma fábrica de ideias, sério!
    Ainda não li nada dela que não fosse Diário da Princesa e a coleção Boy, mas quero conhecer seus outros livros.


Postar um comentário