Natália
Vale a Pena Ler de Novo é um meme literário hospedado pelo Ancalimë Family para resenhar antigos livros (leia-se: a primeira publicação foi há, pelo menos, 10 anos), tidos como clássicos ou não, que lemos recentemente e gostaríamos de compartilhar com os leitores.





Título: Orgulho e Preconceito
Autor(a): Jane Austen
País de Origem: Inglaterra
Título Original: Pride and Prejudice
Publicado originalmente em: 1813



O mais famoso romance de Jane Austen, Orgulho e Preconceito nos apresenta os Bennet, uma família de classe média composta por Mr. Bennet, um gentleman, sua esposa Mrs. Bennet e suas cinco filhas: Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia. Ao contrário do marido, um homem respeitável e com um bom humor difícil de afetar, Mrs. Bennet é fútil e tola, bem como as filhas mais novas. Mary é decididamente anti-social e, por não ser considerada tão bela quanto as irmãs mais velhas, dedica-se em tempo integral à leitura ou a aprimorar seus dotes na música.
A linda Jane é meiga e delicada, possui um coração bondoso e sempre pensa o melhor de todas as pessoas, por mais que as circunstâncias apontem para o contrário. É confidente de Elizabeth, também chamada Lizzy ou Eliza. Esta, no entanto, não tem o mesmo gênio da irmã e é apressada para tomar conclusões a respeito do caráter alheio.
Quando um jovem chega para passar o verão na mansão de Netherfield, a cidade toda fica em alvoroço. Em um baile, todos têm a oportunidade de ver Mr. Bingley, que, além de rico, é muito bonito, elegante e indiscutivelmente simpático. Seus atrativos atraem as atenções de todas as moças e todas as mães com filhas com idade para casar, incluindo as Bennet. Embora Bingley tenha se mostrado encantado com as pessoas do lugar, o mesmo não se pode dizer de seus acompanhantes: seu amigo Mr. Darcy, suas duas irmãs e o marido de uma delas, Mr. Hurst.
Lydia, Kitty, Lizzy, Jane e Mary, da adaptação de 2005
Bingley e Jane dançaram juntos mais de uma vez naquela noite e o interesse de um pelo outro fica óbvio para todos, embora a moça seja extremamente tímida e tente disfarçar a afeição que sente.
Darcy não parece estar se divertindo nem um pouco e, quando incentivado pelo amigo a convidar Lizzy para dançar, afirma que ela não é bonita o suficiente para tentá-lo. O que ele não sabia é que a própria Lizzy estava escutando. Embora não se importasse o bastante com a opinião dele para ficar chateada com a grosseria, ela conclui que ele é arrogante e presunçoso e que não tem interesse algum em estreitar o relacionamento entre ambos.
Esses são os eventos que dão início à aversão de Elizabeth por Darcy. Porém as tentativas de Mrs Bennet de aproximar Jane e Bingley, juntamente com uma série de coincidências, os coloca um no caminho do outro diversas vezes. E Darcy descobre que precisará se esforçar muito para se redimir aos olhos da moça, uma vez que não consegue tirá-la dos pensamentos.
Uma história envolvente, recheada de deliciosas ironias e repleta de personagens que nos fazem rir, sem deixar de detestá-los, como o enfadonho Mr. Collins, primo e herdeiro de Mr. Bennet, e a intragável Miss Bingley. Com uma linguagem simples, apesar de arcaica, e situações absurdamente comuns, Jane Austen criou um romance que marcou sua geração, assim como todas as gerações que se seguiram.

Matthew Macfadyen e Keira Knightley na adaptação de 2005

4 Responses
  1. Ptah Says:

    Ahhhh! Eu seeeeempre leio de novo Orgulho e Preconceito. É, para mim, aquele tipo de filme que dá uma sensação boa. Adorei o posto!


  2. Miriam. Says:

    Vale MUITO a pena ler de novo!
    Se eu não tivesse com uma pilha gigante de livros pra ler, eu acabaria me jogando na leitura dele de novo!


  3. Cara, eu quero ver esse filme. Sempre confundo a Keira Nightley com a Natalie Portman, mas isso é o de menos.


  4. Eliza Grint Says:

    AHHHHHH, como eu amo esse livro!
    Tu sabe HUASHAUHAHUSAH Nem preciso ficar morrendo de amores aqui porque é totalmente desnecessário xD
    Vale a pena ler de novo e de novo e de novo...


Postar um comentário