Natália
Essa resenha faz parte do Desafio Literário #1. Para acompanhar o meu progresso em todos os Desafios de 2011, clique aqui.

Quase Perdidos (Jane Goodger): Nova York e Inglaterra, 1893.
O tempo certo para amar...
Bonito, elegante e irresistível, Edward Hollings causa furor em Newport, e, para surpresa de Maggie Price, somente ela atrai sua atenção. No entanto, quando o charmoso conde volta para a Inglaterra sem pedi-la em casamento, Maggie compreende que precisa esquecê-lo, embora fique arrasada ao ver todos os seus sonhos de amor e felicidade cair por terra. Quando recebe um convite para ir à Inglaterra para as festas de fim de ano e para conhecer o bebê de sua melhor amiga, Maggie aceita, decidida a esconder seus vergonhosos segredos e mentiras do único homem que amou na vida...
Embora tivesse jurado a si mesmo que nunca se casaria, Edward quase rompeu a promessa quando conheceu Maggie. Ela é linda, inteligente, encantadora, e ele não consegue esquecê-la. Quando o destino os aproxima de novo, na residência de um casal de amigos em comum, Edward tem dificuldade para ficar longe dela. Ele se sente mais atraído que nunca e a indiferença de Maggie só faz aumentar seu desejo. Agora, com o amor que ele nunca imaginaria sentir um dia escapando por entre seus dedos, Edward está determinado a conquistar Maggie, custe o que custar...
(sinopse: quarta capa do livro)



O segundo livro escolhido para o mês de fevereiro, cujo tema era livro de banca, foi melhor do que eu esperava. Não, eu não virei fã do gênero. Na verdade nem posso dizer que eu realmente gostei do livro. Mas a leitura foi mais suportável fácil do que a anterior. Mas eu esperava que tivesse mais fatos históricos, como no outro. Acho que eu estava sendo exigente demais...
A história traz a velha fórmula das comédias românticas açucaradas: ele gosta dela, mas ela não sabe + ela gosta dele, mas ele não sabe = os dois se fazem de difíceis até as últimas páginas, quando finalmente se declaram e vivem felizes para sempre. Clichê, eu sei. Mas só se torna clichê o que deu certo, então dêem um desconto, combinado?
Edward e Maggie se conheceram nos EUA, durante uma viagem que ele fazia com seu melhor amigo, o duque de Bellingham. Quando o duque se apaixona por Elizabeth, melhor amiga de Maggie, os dois passam muito tempo juntos e se apaixonam, mas ele volta para a Inglaterra sem nem ao menos se despedir. Eu não entendi porque ele foi embora, os motivos não são explicados. Alguns meses mais tarde, depois de um escândalo envolvendo seu pai, Maggie se vê sem dinheiro, rejeitada pela alta sociedade e pelo homem de quem esperava receber uma proposta de casamento. Por isso, o convite do duque para que ela passe as festas de fim de ano na Inglaterra, ajudando Elizabeth durante sua gravidez e depois do parto, é uma bênção.
Mas esconder os segredos da família e conviver com Edward, que também é convidado na casa do duque, não é tão fácil quanto ela imagina. Principalmente porque ele tem um humor bastante variável, tentando conversar com ela um dia para ignorá-lo durante semanas.
Os personagens não são muito bem construídos. A irmã de Edward, por exemplo, não se comporta como uma moça de dezenove anos. Vive saltitando e gritando por aí. A mãe da Maggie é uma chorona incontrolável que vive enchendo a cara e a própria Maggie não sabe o que quer da vida a maior parte do tempo. Edward é, embora um pouco exagerado quanto aos sentimentos, a personagem menos chata mais crível do livro.
Tirando o fato de as mocinhas serem uma depravadas, segundo os valores da época (gente, no século XIX as mulheres não permitiam essas mãos bobas!), a história não é recheada daqueles momentos non sense e só tem uma cena de sexo! Deve ser uma espécie de recorde no gênero...

Título Original: A Christmas Scandal
Autor: Jane Goodger
Editora: Nova Cultural
0 Responses

Postar um comentário