Natália
Essa resenha faz parte do Desafio Literário #1. Para acompanhar o meu progresso em todos os Desafios de 2011, clique aqui.

O Natal de Poirot (Agatha Christie): Véspera de Natal. A reunião da família Lee é arruinada pelo barulho ensurdecedor de móveis sendo destroçados, seguido de um grito agudo e sofrido. No andar de cima, o tirânico Simeon Lee está morto, numa poça de sangue, com a garganta degolada.
Mas quando Hercule Poirot, que está no vilarejo para passar o Natal com um amigo, se oferece para ajudar, depara-se com uma atmosfera não de luto, mas de suspeitas mútuas. Parece que todos tinham suas próprias razões para detestar o velho...
(sinopse: quarta capa do livro)



Em sua dedicatória, Agatha escreve ao cunhado James, um de seus leitores mais fiéis e bondosos, segundo ela:
Queixou-se de que meus assassinatos estariam ficando refinados demais - na verdade, anêmicos. Demonstrou, também, o desejo de "um assassinato dos bons, violento e cheio de sangue". Um assassinato em que não houvesse dúvida de ser assassinato!
Devemos todos, portanto, ser gratos a James, pois o assassinato de Simeon Lee não pode ser descrito como nada menos que um "dos bons". O velho doente e praticamente inválido é encontrado com a garganta cortada em meio a móveis arrastados e revirados, depois de a casa toda ouvir um grito de terrível agonia.
O patriarca dos Lee não era conhecido como uma pessoa gentil, embora fosse extremamente generoso quando se tratava de dinheiro. Resolvera reunir os filhos, noras e a neta para celebrar o Natal, mas não chegou até o dia 25 de dezembro. E, pelo que tudo indica, foi alguém de sua própria família o autor do crime.
O detetive Poirot não aparece antes da página 70. Os primeiros capítulos giram em torno de cada integrante da família, nos dando indicações do caráter de cada um, e durante a ceia de Natal acompanhamos os passos de Tressilian, o velho mordomo da casa, até o momento em que o barulho no quarto do dono da casa indica que algo está muito errado.
Novamente, Agatha Christie se prende aos detalhes, físicos e psicológicos, de cada personagem para nos fazer suspeitar de cada um deles. Mas, como repete muitas vezes o próprio Poirot, é a personalidade do morto que revela seu assassino.

Uma história intrigante, que mantém o suspense até o surpreendente final.

Título Original: Hercule Poirot's Christmas
Autor: Agatha Christie
Editora: Nova Fronteira
0 Responses

Postar um comentário